Research groups

Below are the research groups of the Brazilian Research and Studies Center. For more information, contact the Head of each research group directly

Social Media Studies

Frequency of meetings: at least once a month
Link for access: https://bras-center.com/research/course/view.php?id=4
Head: Claudia Pires
email: claudiapires.br@gmail.com

Claudia Pires de Castro: Head of the Research

Helena Gonçalves: http://lattes.cnpq.br/9358883083223217
Ph.D. Candidate in Social Sciences in Education, Postgraduate Program in Education, Faculty of Education from the University of Campinas (Unicamp); Master in Social Sciences from the University of Campinas (Unicamp); Bachelor’s Degree in Social Sciences from the University of São Paulo (USP) with specializations in Ethics (USP-UniVesp); in History, Culture and Society (PUC-SP); member of the Research Group on Sociocultural Differentiation (Unicamp); member of the Brazilian Association for the Teaching of Social Sciences (ABECS).

Igor José Siquieri Savenhago: http://lattes.cnpq.br/9377340948989879
Ph.D. Candidate and Master in Science, Technology, and Society from the Federal University of São Carlos (UFSCar); Bachelor’s Degree in Social Communication (Journalism). Member of Brazilian Association for Social Studies of Sciences and Technologies (Esocite.BR). Member of the Communication Center at the University of Franca-SP (Unifran); Docent for undergraduate Social Communication (Journalism and Advertising & PR) at the University of Franca-SP.

Ademilson Carlos Teixeira: http://lattes.cnpq.br/7632595239667565
Ph.D. Candidate and Master in Science, Technology, and Society (CTS) from the University of Campinas (Unicamp). Bachelor’s Degree in Social Communication (Journalism) from the Pontifical Catholic University Campinas (PUC–CAMPINAS). Postgraduate in Educational Management and Teaching in Higher Education and Postgraduate in MBA in Strategic Management of Integrated Communication with Emphasis in Public Communication and Social Responsibility (Unimetrocamp).

Ivete Dorr Labres: http://lattes.cnpq.br/4198607794826421
Postdoctoral Fellow in Social Psychology from the Universidad Argentina John F. Kennedy. Ph.D. in Social Psychology from the Universidad Argentina John F. Kennedy. Master in Business Sciences from the Fernando Pessoa University (Portugal). Specialist’s degree in Marketing from the Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Specialist’s degree in People Management from the Faculdade Candido Mendes – RJ. Bachelor’s Degree in Psychology from the Unisinos – Universidade do Rio dos Sinos – RS.

Introduction
Since the technological revolution started in the 1960s, the new information and communication technologies (ICTs) are digitization, network communication, and interactivity. These technologies can change human relations by proposing, new spaces for interaction and other possibilities. Santos (2006) states that new techniques create new spaces and vice versa. However, it is not possible to think of them in a disconnected way from those who create them. There is a mutual dialogic implication between subjects and objects, which, is fundamental for the self-organization and transformation of individuals and groups according to the author. The popularization of the Internet since the 1990s has intensified the connection between people.

The social media emerging in digital spaces began to integrate this process, making the construction of knowledge in the network more plural and contributing to establishing a multiplatform, multifaceted, convergent society. This increases the importance of employing them as a research tool, as well as requires an improvement of management and technological mediation, aiming to understand the effects of innovations in this field.

Therefore, this scenario stimulates new questionings and movements in science. From this understanding to comprehend and outline paths and strategies for a plural and complex society, it is necessary to dialogically involve several fields of knowledge in an interdisciplinary effort. This research group proposal is not only to observe the incorporation of new media devices and languages in society but what factors favor it and how they help to demarcate a new production of meanings in the perceptions and representations of the world.

Theoretical background
Although the Brazilian reality is quite heterogeneous in terms of connection and quality of internet access, Brazilians have included computers, tablets, and smartphones in the list of essential consumer goods, regardless of social class. These tools allowed the expansion of social networks to digital environments through various platforms, making it possible to perform a variety of tasks from home. Some examples are shopping, making payments and bank transfers, meeting friends, participating in cultural events, and starting affectionate relationships among others.

The acceleration of the ways of living directly affects social interaction models, also promotes a transformation of the intimacy of social actors (GIDDENS, 1995), as the construction of identities becomes increasingly more reflexive. Living in a society marked by constant technological advancement implies moving through contexts of uncertainty, in which some of the ways found to stabilize the meanings given to everyday life is by searching for information and intense communications.

To investigate this global phenomenon, this research group starts from two assumptions. First, it considers that physical and digital spaces are integrated through the everyday experiences of social actors (MILLER, 2016; BOYD, 2014). Second, the speed involved in contemporary societies has made the communication society emerge, in which traditional structures are resignified through the high reflexivity of the actors. This high reflexivity, in turn, is influenced by social interactions that are inserted in a spiral of interdependent interactions, in which social and psychological factors constitute the action of social actors (BLUMMER, 1977).

According to Hine (2015), the Internet is not only embedded in society but incorporated into daily human activities in a way that there is no separation between physical and digital spaces, i.e., one is an extension of the other. Habermas (2003) points out that the emergence of physical spaces allows social actors to make their ideas public. The public sphere always has a judging audience, and this judgment’s object is publicized. Thus, physical spaces or “public sphere” would be an area in social life where individuals expose subjects of general interest for discussion, debates, criticisms, controversial opinions, aiming at a possible consensus.

To understand how social actors make sense of new technologies, create bonds, and carry out their everyday practices, interdisciplinary research is guided by participant observation. To look closely and from the inside (MAGNANI, 2002) of the web of interactions (GEERTZ, 2008) produced in these spaces, researchers, are also in the process of building and transforming their views while simultaneously building the object of study. Thiollent (2011) explains that, in participatory research, the researcher can also assume the investigated role, in addition to seeking horizontal communication between the members of a group. This dialogue is an important data collection tool, and the main objective of the study is not to solve a specific problem, but to broaden the discussion about social dynamics so that solutions can be jointly thought out and implemented.

In this context, Morin (2003) argues that the complexity of human relations places us before the need for interdisciplinary approaches. To break up the studies of the universe into specific areas would be to contribute to the isolation and consequent fragmentation of knowledge. This is not coherent with the game of order and disorder that constitutes society and eliminates clear boundaries between individuals and groups and of these about the systems of which they are part.

In this scenario of approximation and cooperation in constructing knowledge, the concept of social capital proposed by Putnam (1996) is also considered. Social capital is defined as characteristics of social organization that, based on trust, favor coordinated actions, aim to increase the efficiency of society. Thus, this happens in the following sense: since social capital is cumulative, i.e., it is built socially and historically and grows as it is used, the trust established in specific groups is extended to a community scope, which encourages collective participation and contributes to strengthening democracy. This goal is also shared by this research group.

To establish the field of investigation, we take as reference the dialog with authors mentioned above as well as others concerned with pertinent themes, that might be also incorporated according to the needs identified in the field.

Justification
Inspired by the polymedia proposed by Daniel Miller (2019), we see social media as relational places where people interact and coexist, promoting the integration between physical and digital spaces through their uses of technologies and sharing of experiences on digital social networks.

Barnes and Bott, two classic authors considered pioneers in these studies, position social network as a category of analysis that can be worked with several conceptual frameworks. For the authors, it is the ethnographic character that makes the concept work (BARNES, 1964; BOTT, 1976) and not a formal theory that establishes a universal law. This means that an ethnographic approach constitutes the basis for investigating interactions that support and organize such networks in the physical and digital spaces. Given the widespread use of social media and its impact on a wide range of social phenomena, this group understands that it is possible to explore, expand, and promote research on social media from Brazilian agents inserted in different contexts, reflecting and interweaving these studies and several disciplines through interdisciplinary and interparadigmatic dialogues. Thus, the research motivation is to map and expand research on social media, bringing together different approaches, from theoretical to empirical explorations.

Goals
Social Media Studies Research Group aims at:
− Build interdisciplinary networks of researchers in the field of Social Media Studies to conduct research focused on the reality permeated by Brazilian actors, and to develop other academic activities for the improvement of this field;
− Foster and conduct high-quality research and develop new ideas in the field of social media;
− Create a pleasant, cooperative, and democratic work environment for the group members,giving all participants the possibility to carry out their research, acquire and share
knowledge.

Periodicity
The Social Media Studies Research Group will hold at least one meeting a month, in which the group members will discuss: topics and status of the research, publication planning, event calendar, and participation in conferences, congresses, and other subjects.

Network strategy
The Social Media Studies Research Group currently has a staff of 5 members:
Claudia Pires de Castro: Head of the Research

References
BARNES, J.A. (1964). “Class and Committees in a Norwegian Island Parish”. Human Relations, n. 7.
BOYD, Danah (2014). It’s Complicated: the social lives of networked teens. Yale University Press.
BOTT, Elisabeth (1976). Família e rede social. RJ, Francisco Alves.
BLUMER, H. A sociedade concebida como uma interação simbólica. In: BIRNBAUM, P.; CHAZEL, F. (1977). Teoria sociológica. São Paulo: Hucitec; EDUSP.
MAGNANI, José Guilherme Cantor (2002). De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 17, n. 49, p. 11-29, June 2002 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 69092002000200002&lng=en&nrm=iso>. access on 16 Dec. 2020.
BLUMLER, J. G. (1979). The role of theory in uses and gratifications studies. Communication Research, 6, 9–36.
BLUMLER, J. G. (1985). The social character of media gratifications. In K. E. Rosengren, L. A.
Wenner, & P. Palmgreen (Eds.), Media gratifications research: Current perspectives (pp. 41–59). Beverly Hills, CA: Sage.
GEERTZ, Cliford (2008). O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes.
GIDDENS, Anthony (1995). A vida numa sociedade pós-tradicional. In: Modernização reflexiva. São Paulo: Unesp.
GIDDENS, Anthony (2002). Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
HABERMAS, Jürgen (2003). Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
HINE, Christine (2015). Ethnography for the Internet: Embedded, Embodied, and Everyday. London / New York: Bloomsbury. (e-book).
JUNQUEIRA, Flávia Campos (2011). Choque, afetividade e experiência estética: linguagem e percepção em Um homem com uma câmera na mão e sua pertinência contemporânea. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/2138/1/flaviacamposjunqueira.pdf. Acesso em 24 de fevereiro de 2021.
MILLER, Daniel et al. (2016) How the world changed Social Media, London: UCL Press.
MEIO DIGITAL. (2006). São Paulo: Ed. Abril, n. 01, out. 2006.
MORIN, Edgar (2003). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
PUTNAM, Robert D. (1996). Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna. Trad. Luiz Alberto Monjardim. Rio de Janeiro. Editora Fundação Getúlio Vargas.
SENNETT, Richard (2004) A corrosão do caráter – conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro. Record.
SANTOS, Milton (2006). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp.
THIOLLENT, Michel (2011). Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez.

Global IR and Brazil

Frequency of meetings: at least once a month
Link for access: https://bras-center.com/research/course/view.php?id=5
Head: Luíza Cerioli
email: luizacerioli@gmail.com

Luíza Cerioli: Luíza is a Political Science Ph.D. candidate at the Centre for Near and Middle East Studies (CNMS) at the University of Marburg. She holds a Master’s in International Relations from the University of Brasília (UnB). Her research aims at nuanced frameworks of International Relations to cope with the complexity of studying multifaced relations between states. Her research interests range from Global IR, Middle Eastern foreign policy, IR theory, Neoclassical Realism, and the intersections between identity, ideology, and gender within International Relations

Fernanda Barasuol: Fernanda holds a Ph.D. in International Strategic Studies from the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS), Brazil. She has also been a visiting Researcher at American University, Washington DC (2015-2016). In addition, she is currently a visiting professor at the Federal University of Grande Dourados (UFGD). Her research interests include IR theory, Global IR, gender, and the connections between academia and policymaking.

Mariana Kalil: Mariana is an Assistant Professor at the Brazilian War College, Deputy Head of the Post-Grad Program in International Security and Defense at the Brazilian War College, Ph.D. and MSc in International Relations at the University of Brasília, Brazil. Mariana defended her Ph.D. in November 2017, presenting extensive research on Brazil’s theoretical contribution to International Relations. Besides quantitative and qualitative methodologies, the sociology of science and the philosophy of science offered fundamental bases for unveiling what she dubbed Rationalism in Exile – a product of the country’s way of thinking IR.

Audrey Alejandro: Audrey works at the crossroads of International Relations, Sociology and Political Science. She researches discourse and knowledge, the role they play in society, how scholars can apprehend their effects and what it takes to produce discourses and knowledge that help to create a world consistent with our objectives and values. Audrey joined the Department of Methodology at the London School of Economics in 2018. Previously, she was a Lecturer in Politics and International Relations at Queen Mary University of London and a Fellow at both the London School of Economics and at Sciences Bordeaux, where she received her Ph.D. in Political Science in 2015. She also held visiting positions at the Jawaharlal Nehru University in New Delhi, India, and at the International Relations Institute of the University of São Paulo, Brazil.

Alice Castellani?

Andre Luis Reis da Silva: André is an Associate Professor in International Relations and at the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS), associated with both the Political Science and the Strategic Studies post-graduate programs. He has a doctor in Political Science and a master’s in History, both from UFRGS. He researches contemporaneous International Relations, focusing on emerging countries and Brazilian Foreign Policy. He has a pos-doctorate in International Relations at the School of Oriental and African Studies at the University of London and a Specialization in Integration Processes by the University of Leiden, Netherlands. He is also the vice-president of the Economic and International Relations department in UFRGS, coordinates the GESPI (Research Group on Security and International Politics), and researcher from CEGOV (Center of International Studies about Government). He was a visiting professor in 2015 and 2017 at the ISRI in Mozambique, in 2017 at the Beijing Foreign Studies University and in 2018 at the Université de Montpellier. He is a member of an international network about foreign policy from Brazil and Argentina and a member of the European Union at the Crossroads of Global Order (EUCROSS). Finally, he was from the directory board of ABRI (2019-2021), coordinated the Editorial Series “Global South: International Relations and Development in the 21st century”, and the National Forum in Political Science/IR researchers at CAPES.

Marília Pereira: Marília is a Senior Scholar of the International Relations Research Center (NUPRI-USP), and an International Relations Professor at Fundação Álvares Penteado (FECAP-SP), both in São Paulo, Brazil. In 2015, Marilia was a Visiting Scholar at the Moynihan Institute of Global Affairs at the Maxwell School-Syracuse University, when she became a researcher at the Global Black Spots Group. Her main research subject is the South American Regional Security and its dynamics of hybrid governance caused by criminal actors, such as drug traffickers and militias. Since 2011, Marília is one of the responsible for the Teaching and Research in International Politics (TRIP) which has brought an enormous contribution to the Brazilian IR community. In the last three years, she has participated actively at the Global South Caucus at the ISA. Since 2017, Marilia is the chair of the Thematic Area “Teaching, Research and Extension” at the International Relations Brazilian Association (ABRI). In addition, she became in 2020 the chair of the Thematic Area of “International Security and Defense” of the Brazilian Association of Defense Studies (ABED), where she will also foster research networks for this TA for the next two years.

Jacqueline A. Braveboy-Wagner: Jacqueline is a Professor at the City University of New York (CUNY) and a specialist in foreign policy, diplomacy and development, particularly with respect to small states (and specifically Caribbean states) as well as the nations of the Global South. Apart from her scholarly work, which includes 11 books, she was the first Caribbean woman to serve as president of the Caribbean Studies Association (1992-3). Before that, she served as the CSA’s newsletter editor and then as Vice President. From 1995 to 2010, she served as the United Nations-NGO representative of the International Studies Association. In addition, she has served on the Governing Council, on the Executive Committee, the Committee on Ethics and Responsibilities and other committees of ISA. In 2011, she was awarded the Ladd Hollist award for significant service to the association at the annual ISA convention. She then found the Global South Caucus of the ISA (GSCIS) in 2012, a grouping aimed at bringing often-marginalized African, Asian (including Central Asian) and Latin American scholars and scholarship into the mainstream of IR. She served as the Chair of the GSCIS until 2015 and co-chair through 2016. Under her watch, the caucus held outreach conferences in Menton, Singapore and Havana. In 2019 she was honored by ISA for her contributions to scholarship on and activities concerning the Global South.

Silvia Ferabolli: Silvia is a Lecturer in the Department of Economics and International Relations at the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS), in Brazil. She holds a Ph.D. in Politics and International Studies from the School of Oriental and African Studies (SOAS), University of London. Her focus is on intra-Arab politics, approaching it via decolonial and critical lenses. Currently, she coordinates the Graduate Programme in International Strategic Studies at UFRGS. Moreover, she coordinates a research project about learning and International Relations of the Arab World, theoretically and methodologically grounded by Paulo Freire’s philosophy of education, and centering on the studies of Global regions. This project is concerned with constructing a less Western-centric discipline and, therefore, truly global in its form, scope and contents.

Introduction

A growing number of scholars are putting in check the Western dominance of International Relations (IR), arguing the discipline lacks diversity in theory, themes, and demographics (Acharya and Buzan 2007; Hurrell 2016; Buzan 2016; Alejandro 2019). Mainstream IR is frequently criticized for excluding from its theory-building phenomena and voices from non-Western regions, limiting the discipline’s capability to be truly international (Acharya 2014; Buzan and Acharya 2019; Gelardi 2019). Many have called for greater reflexivity and pluralism to create a genuinely Global IR, promoting dialogue between existing traditions, incorporating non-Western knowledge, and investigating how the scholarly and its concepts are applied, modified, and expanded in the Global South. Thus, Global IR is a collective initiative, a movement, designed to establish and propagate a framework of IR inquiry that is diverse and plural. It seeks tools to comprehend the ever-changing global order, its intricate power diffusion patterns, and how and why social, economic, and political adjustments happen in many parts of the world (Buzan and Acharya 2019; Hurrell 2016; Gelardi 2019). With that in mind, this group aims to explore, enlarge, and promote research linking Global IR with what is produced in, by, and for Brazil.

Justification

Brazil is often in the discipline’s spotlight not only for its position, resources, and size but also for belonging to a non-Western emerging group of influential countries. In the last fifteen years, the field grew enormously in the country, translating into diversification of national IR programs, greater qualitative and quantitative participation of IR scholars in international organizations, and much more international visibility (Barasuol, Silva 2016). For those reasons and more, Brazil can provide new spaces to study IR and develop dissident knowledge (Alejandro 2019). However, the development of IR theory in, for, and by Brazilians is still far from its potential (Lessa 2006, Julião 2009). Nevertheless, Brazil has much to contribute to the de-Westernization of IR, which is the focus of this research group. We seek Brazilian knowledge about foreign policy and international behavior under a Global IR perspective, aware that research from Brazilian or Brazilian-based scholars can propose pathways to de-Westernize the discipline.

This research group seeks to promote interdisciplinary and interparadigmatic dialogues, bridging the gap between scholars from different areas, backgrounds, or regions. It instigates scholars to question themselves: what is endogenous-based IR in Brazil? How to acknowledge perspectives, voices, and points of view from the Global South? How to make the local-global? Is there a South within the Global South? In this sense, the group proposes advancing the discipline by inclusion and reimagination, embracing the possibilities of diffusion of power within academia, while exploring how concepts travel, translate, and readapt in Brazil. If the discipline is done by and for the whole world, it inherently must have multiple foundations and voices (Alejandro 2019). Our motivation is to map and expand the Brazilian IR as one of those foundations.

Goals

The BRaS Global IR and Brazil research group aims at:

– Bring together scholars from distinct academic levels and different parts of the world interested in Global IR theorization, particularly focusing on Latin America and Brazil, as well as those working with Brazilian practical theory, theory building, or theory testing.

– Create a welcoming and open research environment in which scholars can strengthen their academic network while carrying out innovative and high-quality research – collectively or

– Promote vertical and horizontal collaboration between researchers, in which we can present our in-developing work for detailed feedback in regular meetings, as well as discuss relevant new publications on the topic of Global IR and Brazilian IR

– Provide institutional structure through BRaS for integrating members’ work, developing diverse academic activities, organizing events, and sharing research via different

– Understanding Global IR as a movement, we have the axiological motivation of finding pathways to transform the discipline via more reflexive, plural, and integrative knowledge For that matter, early career scholars are particularly welcome, and interdisciplinary attitudes towards science are encouraged.

Frequency

 The periodicity will be defined collectively after the first meetings. Ideally, we should have at least 1 meeting every month.

References
Acharya, Amitav; Buzan, Berry (2007): ‘Why is The No Non-Western International Relations Theory? An Introduction. In International Relations of the Asia-Pacific 7 (4), p. 387-312.
Alejandro, Audrey (2019): Western dominance in international relations? The internationalisation of IR in Brazil and India. London, New York: Routledge Taylor & Francis Group
Barasuol, Fernanda; da Silva, André Reis (2016) International Relations Theory in Brazil: trend and challenges in teaching and research. In Revista Brasileira de Política Internacional, 59 (2): p, 1-20
Buzan, Berry (2016): Could IR Be Different? In International Studies Review, 18 (1), p. 155–157
Buzan, Berry; Acharya, Amitav (2019): The Making of Global International Relations. Origins and Evolution of IR at its Centenary. Cambridge: Cambridge University Press.
Gelardi, Maiken (2019): ‘Moving Global IR Forward—A Road Map’. In International Studies Review, 22 (4), p. 830–852
Hurrell, Andrew (2016): ‘Towards the Global Study of International Relations’. In Revista Brasileira de Política Intenational, 59 (2), p. 1-18
Julião, Taís Sandrim. (2009): ‘O Brasil no Mundo e o Mundo no Brasil: a formação de quadros, a produção de conhecimento e a construção da área de Relações Internacionais’. Dissertation (Masters in International Relations) – Instituto de Relações Internacionais, University of Brasília.
Lessa, Antônio Carlos (2005): A evolução recente dos estudos e dos programas de pós-graduação em Relações Internacionais no Brasil. In: Meridiano 47: Boletim de Análise de Conjuntura em Relações Internacionais, n. 68, p. 14-

Subnational and Multilevel Politics

Frequency of meetings: at least once a month
Link for access: https://bras-center.com/research/course/view.php?id=7
Head: Jayane dos Santos Maia
email: jayane.maia@giga-hamburg.de

MA Jayane dos Santos Maia

MA Thaís Cavalcante Martins

Introduction
The revival – still shy – of the subnational politics in Political Science comes from the fact that many countries when they took part in the decentralization process of government, contributed to the emergence of local political-party dynamics that stand out from the national politics, at the same time that they hang together (Falleti, 2010). Some authors, for example, shed light on the influence of local leaders on the national scenario by arguing that subnational party systems play a role in casting candidates to compete in national elections (Gervasoni, 2011; Gibson & Suarez-Cao, 2010). Moreover, subnational elections may also account for the electoral results in national elections (Spoon & West, 2015) and impact the context of national congressional elections (Jones 1997; Kikuchi and Lodola 2014).

Justification
In federal countries, interparty competition at the subnational level is a fundamental feature of these systems, in which political parties can be considered “multi-level organizations”, as they compete in different localities to maximize their power by gaining electoral capillarity (Suarez-Cao & Freidenberg, 2012; Deschouwer, 2006). On the one hand, recent efforts have been made by social scientists to bring up studies highlighting the importance of subnational politics to a deeper understanding of national politics. On the other hand, local politics has a peculiar character, as it has its actors and patterns of competition that form a singular political context in each state, province, or municipality.
Nonetheless, in comparative literature, there are still few works that deal with subnational politics in federal countries and the way the political parties fulfill their responsibilities and interact with each other in subnational contexts (Gibson & Suarez-Cao, 2010; Boogers & Voerman, 2010; Deschouwer, 2006). Therefore, a complete analysis of politics in federal countries should consider sub-national patterns of party competition that might differ from those observed at the national level (Gibson & Suarez-Cao, 2010). As Gervasoni (2011: 76) argues, even though sub-national governments are less autonomous than national ones, it does not mean that they are less important. New research focusing on the analysis of electoral results at the disaggregate level (subnational units) could bring to light more trustworthy conclusions about electoral competition and party system dynamics, particularly in the case of multilevel systems.
However, this research agenda has been somewhat neglected in favor of studies focusing on the macro/national level that use aggregated data. This discouraging scenario is even more emblematic when it comes to Latin America. While there is a long tradition among American and European scholars in including the subnational level to understand national politics, in the Latin American continent it was only recently, for example, that subnational elections were considered more systematically in party systems’ studies. If the lack of electoral studies that underline subnational politics is evident, the insufficiency of studies that deal with public policies, social movements, or democracy at the local level is even more alarming.
Thus, the Subnational and Multilevel Politics RG intends to shed light on the still subjugated subnational level as well as on the political dynamics that emerge from it. We propose to bring together studies that dialogue with topics on federalism, decentralization, multilevel politics, elections, party systems, local democracy, among other subjects that contribute to grasping the political diversity that exists at this level of government. Research that applies different methodologies, whether quantitative or qualitative, as well as comparative studies between countries, are welcome, provided that the unit of analysis is the subnational level.

Goals
The Subnational and Multilevel Politics Research Group aims at:

– Gathering researchers who study subnational and multilevel politics in Brazil to form a network to carry out research and develop other academic activities to improve this field. Young researchers in early career are particularly welcome as well as researchers who produce comparative research on Brazil AND other countries;
–  Conducting high-quality and innovative research on subnational and multilevel politics in Brazil (or between Brazil AND other countries);
–  Being a pleasant environment to their members, where they can conduct their researches and acquire and share knowledge.

Keywords: Subnational. Multilevel. Politics. Brazil.

Frequency
At first, this Research Group will have at least 1 meeting per month.

Network strategy
This Research Group already has one member:
• Thaís Cavalcante Martins (member of BRaS already).

To gather new members, the head/team of this RG will brainstorm possible names and strategies to approach them.

Expected products
• List of Brazilian and foreign researchers who research subnational politics;
• To submit at least two texts each semester to be published on the BRaS-Blog (the first one for this semester (1/2021), which will be about last Brazil’s municipal elections, is already in the loop);
• To submit funding proposals for publication of books or organization of events, provided that calls are open.
• OBS.: the RG has already an ongoing project, which is the special issue “Subnational Politics: An Emerging Research Agenda” edited by Jayane dos Santos Maia and Thaís Cavalcante Martins that will come out in the journal Agenda Política in 2021/22.

References

Boogers, M. & Voerman, G. (2010) Independent Local Political Parties in the Netherlands. Local Government Studies, 36(1), 75–90.
Deschouwer, K. (2006) Political Parties as Multi-level Organizations. In Handbook of Party Politics,
edited by Richard S. Katz and William Crotty. SAGE Publications, 291-300.
Falleti, T. (2010) Decentralization and Subnational Politics in Latin America. Cambridge University Press.
Gervasoni, C. (2011). Democracia y Autoritarismo en las provincias argentinas: La medición y causas de los regímenes subnacionales. Journal of Democracy an Español, 3, 75–93.
Gibson, E. & Suarez-Cao, J. (2010). Federalized Party Systems and Subnational Party Competition: Theory and an Empirical Application to Argentina. Comparative Politics, 43(1), 21–39.
Jones, M. (1997). Federalism and the Number of Parties in Argentine Congressional Elections. The Journal of Politics, 59(2), 538–549.
Kikuchi, H. & Lodola, G. (2014). The Effects of Gubernatorial Influence and Political Careerism on Senatorial Voting Behavior: The Argentine Case. Journal of Politics in Latin America, 6(2), 73–105. Spoon, J. & West, K. J. (2015). “Alone or Together? How Institutions Affect Party Entry in Presidential Elections in Europe and South America.” Party Politics, 21(3), 393–403.
Suarez-Cao, J. & Freidenberg, F. (2012). Multilevel Party Systems and Democracy, A New Typology of Parties and Party Systems in Latin America. Annual Meeting of the International Political Science Association, Madrid, Spain, 1-36.

Gender, Sexuality, and Family: Intersectional studies

Frequency of meetings: at least once a month
Link for access: https://bras-center.com/research/course/view.php?id=6
Head: Luísa Turbino Torres and Anna Paula Bennech
e-mail: luisaturbino@gmail.com; annabennech@gmail.com

Luísa Turbino Torres

Anna Paula Bennech

Research Group’s Outline
This study group is aimed to discuss different issues around feminisms in Latin America, with a special focus on Brazil. Gender Studies in Brazil emerged from popular feminist movements and gain traction in the 1990s. They are interdisciplinary studies that look to comprehend gender as an important category of analysis in Brazilian politics. Nowadays, the trajectory of feminist movements and gender studies are a central part of the research agenda of many interdisciplinary programs and center around the country.
Despite significant recent progress, the current social and political context in Brazil gave way to a reverse wave in gender equality. Today, Brazil is one of the world leaders in femicide and violence against the LGBTQ+ population. Thus, gender studies face many challenges in the country, especially in a context of frequent attacks on democracy that also extends to global contexts. Among them, the advancement of educational and cultural policies from the far-right, which represents not only a setback but also a direct attack on marginalized populations. These policies do not happen in isolation, but rather as a result of a narrative explicitly against the feminist agenda, led by the far-right around the world. The discourse of denial of the existence of “gender”, for example, built through the expression “gender ideology”, was created and diffused mainly by religious groups.
It is also important to highlight that Brazilian feminisms are part of a broader Global South feminisms, which embrace diversity and tensions while also challenging universal premises that reinforce north/south hierarchies. Furthermore, the concept of intersectionality and how different systems of oppression such as class, gender, sexuality, and race, become even more important in a context shaped by the legacies of colonialism, the enslavement of African people, and marginalization and exploitation of indigenous populations. In this sense, it is also a challenge to include decoloniality as praxis, serving as an orienting principle in Global South movements inside and outside academia.

Justification
Despite significant recent regional and global progress, the current social and political context in Brazil allowed the emergence of a reverse wave towards gender equality. Brazil is today one of the world leaders in femicide and violence against the LGBTQ+ population. It is urgent the production of emancipatory knowledge focused on understanding gender oppression in every corner of Brazilian society.

Goals
● Gather early career and experienced researchers from multiple research fields interested in Gender, Sexuality, and/or Family from an intersectional approach with a focus on Brazil as a case study and/or from a comparative approach.
● Organize and develop a research network to foster thematic academic research and multi-stakeholder debates, such as civil society, academia, and industry.
● Encourage and foster networking among researchers from a trans and interdisciplinary approach in a collaborative and democratic environment.

Frequency
The RG GSFIS will hold monthly meetings, starting from July 2021.

Expected products
● Four internal meetings to organize and deliberate about the RG GSFIS’s structure and the
guest talks, as well as discuss specialized literature.
● Three guest talks via Zoom open to the general public (August, October, and December), approaching the following topics: Sexual and Reproductive Rights in Brazil and Argentina; Gender in Politics; and Gender & Religion.
● For each guest talk, one product, i.e. article submission to BRaS-Blog, social media content.

Network strategy
● The RG GSFIS will range from 10 to 12 members.

Application Requirements:
■ Be comfortable with English;
■ Submit a CV and motivation letter (no longer than half a page) stating why you want to join the RG GSFIS and highlighting your specific research interests.
● When choosing guest lecturers, we will encompass at least three countries/regions, i.e. Brazil, the US, and Germany.

Keywords: Gender. Sexuality. Family. Intersectionality.

References

Few-Demo, April L., and Katherine R. Allen. “Gender, Feminist, and Intersectional Perspectives on Families: A Decade in Review.” Journal of Marriage and Family 82, no. 1 (2020): 326–45. https://doi.org/https://doi.org/10.1111/jomf.12638.

Scott, Joan W. “Gender: A Useful Category of Historical Analysis.” The American Historical Review 91, no. 5 (1986): 1053–75. https://doi.org/10.2307/1864376.

Weldon, S. Laurel. “The Structure of Intersectionality: A Comparative Politics of Gender.” Politics & Gender 2, no. 02 (2006). https://doi.org/10.1017/S1743923X06231040.

A CF88 é uma carta política

Frequency of meetings: at least once a month
Link for access: https://bras-center.com/research/course/view.php?id=8
Head: Vinício Carrilho Martinez
e-mail: email

Need information

Neste projeto, nosso objetivo primeiro é divulgar a CF88, interna e internacionalmente, no que traz ou guarda de essencial – sua conotação de Carta Política. Muitos são aqui os aspectos realçados, desde a prevalência da Justiça Social (arts. 3º, 170) à evidente defesa dos direitos fundamentais, em que se incluem a participação, a emancipação, a inclusão e uma Estrutura Constitucional que se assegura por meio do Processo Civilizatório (Preâmbulo, art. 215 e 225). A popularização do Conhecimento Constitucional, como resultado desse objetivo, traz ainda duas consequências: estimular o intelectual orgânico (GRAMSCI, 2000) diante da compreensão do conhecimento político e científico; auxiliar na formação dos chamados “operadores do direito” a fim de que observem com efetivo envolvimento o resguardo da CF88 como Carta Política inclusiva, expansiva e humanitária.

As restrições, as violações, as deturpações constitucionais – a emenda da reeleição, a cláusula de barreira social designada como Reserva do Possível e as seguintes, desembocando em 2020 – são aqui tratadas como deturpações constitucionais, em desalinho ao escopo e ao Princípio da Unicidade Constitucional: vide Princípio do não- Retrocesso Social e a garantia da dignidade humana.

Tecnicamente, essas violações constitucionais ora se afiguram com Golpe à Constituição (BONAVIDES, 2009) ora se materializam como Transmutação Constitucional. Portanto, já a partir de 1990 vemos que atacam a CF88 os que atacam a cidadania nacional. Do mesmo modo como o Núcleo Constitucional luta por se manter como Carta Política: da não-suspensão de direitos políticos à inclusão de legitimados individuais e coletivos nos mecanismos de controle de constitucionalidade1.

Como se trata de uma Constituição prolixa, diversificada, complexa, a proposta desse Grupo de Pesquisa – A CF88 é uma Carta Política – é promover abordagens de

acordo com a própria diversidade político-jurídica que se observa na CF88. Para tanto, contaremos com juristas e profissionais de outras áreas do saber e do conhecimento social.

Outrossim, a Constituição também padece nas decisões políticas que são tomadas pelos Poderes Instituídos, no lócus de representatividade popular, e ganha força o populismo e a sobreposição dos interesses dos Grupos Hegemônicos de Poder, que além de dominar a pauta da política, obstam e violam a fruição dos direitos fundamentais. Nesse quadro, não é necessário um ataque à literalidade da Constituição, alterando suas palavras ou desalinhando seus objetivos, mas é na ponta da interpretação e da execução dos planos governamentais que muitos direitos são violentados mediante a implantação de projetos neoliberais – evidentemente minando a educação e promovendo o desmatamento da Amazônia e do Pantanal.

A principal justificação desta proposta é auxiliar na afirmação da CF88 e no desmascaramento dos crimes institucionais cometidos “em seu nome”. O método de demonstração e de avaliação mais simples tem-se mostrado muito eficaz: o recorte de alguns artigos da CF88, afirmativos de sua conotação enquanto Carta Política, é seguido de uma síntese da realidade social e política – sobretudo no pós-2016.

Com esta comparação entre a Nomologia Constitucional (premissa maior) e a síntese societal, vê-se claramente que o problema não é constitucional. Mas, sim, de ordem do Poder Público inclinado – sob o Fascismo Nacional (Necrofascismo) – a destruir as garantias, os direitos e as liberdades asseguradas na CF88. Por exemplo, em nome da “liberdade de expressão” propaga-se a mentira e se alimenta o negacionismo das obviedades.

Se cabem críticas ao excesso de competências atribuídas ao Poder Executivo – como referendo do Kaiserpresidente (WEBER, 1985) –, não obstante, precisamos rever alguns passos: 1) a CF88 atribuiu, sobremaneira, autonomia e competência ao Legislativo e ao Judiciário – quando observamos as constituições anteriores; 2) para arrefecermos os poderes executivos, obviamente, teríamos de lastrear mais autonomia ao Estados Federados e aos municípios; 3) O que seria do país, em 2020, com um maior e mais profundo enraizamento do caudilhismo e dos chamados “poderes locais”?; 4) Qualquer proposta de Emenda à Constituição, sugerida no bojo do Fascismo Nacional de 2016- 2020, não tem o interesse público por objetivo.

Objetivos específicos

Os parágrafos demarcados a seguir, indicam uma abordagem específica, mas transdisciplinar e com recorte na CF88; constituem-se, portanto, em objetos específicos de análise constitucional:

  1. O patrimônio público imaterial – cultura, biodiversidade de todos os ecossistemas nacionais e pluralidade social e política –, enquanto direitos de quilate difuso, acaba ameaçado pela falta de observância do vasto conteúdo protetivo da Constituição. O Argumento Constitucional se revela impedido pela argumentação econômica e nada consequencialista (quanto à destruição patrimonial do Brasil) e, assim, corrobora-se com estratégias que privilegiam os representantes e põem em risco os representados. A Constituição possui mecanismos de proteção que não são meramente programáticos, exigindo uma postura ativa e horizontalizada para alcançar efetividade e adesão social. Nessa senda, o objetivo específico é firmar a noção de bem público imaterial que assegura especial proteção aos elementos culturais e naturais que devem compor o Estado brasileiro, demandando-se políticas protetivas e combativas em face das ações que promovem a erosão e a destruição da consciência cultural e ambiental.

(Vinícius Scherch)

  1. A formulação de políticas ambientais no território brasileiro é antiga. Na década de 1950 tivemos a primeira geração destas políticas, no entanto, fundamentavam-se na administração dos recursos naturais pelo Estado e concentravam o poder de decisão, banindo a sociedade dos processos decisórios relativos ao meio ambiente. Foi nos anos de 1970, sob ditadura militar, que movimentos sociais emergiram travando lutas pela participação sociocientífica nas tomadas de decisão, buscando a inclusão e a prática da cidadania no campo ambiental. A CF88 rompeu com o passado autoritário e excludente, assegurou os direitos à Educação Ambiental (art. 225, § 1º, VI) e a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida (art. 225). Como carta política, robusta na instrumentalização e nos princípios, sintoniza-se com o controle social, enquanto um direito/dever de participação ativa e integral de toda(o) brasileira(o) nos processos decisórios, incluindo os socioambientais que envolvam a defesa e preservação do meio ambiente para as atuais e futuras gerações. Já como um respaldo sociopolítico nas questões relativas à

sociedade e meio ambiente, campos intrinsecamente relacionados, a CF 88 abriu caminhos para a formulação de demais políticas públicas. (Silvia Helena Flamini).

  1. A década de 1990 representou um período de profundas transformações na história brasileira. Primeira década do regime democrático, trouxe uma série de avanços em termos de políticas públicas – resultado dos arranjos elaborados na Constituição Federal de Contudo, no plano econômico, aplicava-se o modelo neoliberal, o que entrava em conflito direto com algumas propostas constitucionais. Esse conflito foi perceptível em diversas esferas da sociedade, mas é de se destacar a configuração das políticas agrícolas. Se, por um lado, havia um incentivo na organização e financiamento da agricultura familiar, por outro, foi um período relevante para a consolidação do modelo do agronegócio e de incentivos estatais para o setor. Esses são modelos distintos de ação que se chocaram no decorrer dos anos 90 até os tempos atuais, entre o agronegócio e a agricultura familiar, entre a reforma agrária e a concentração de terras; com o Estado oscilando por meio de suas políticas entre ambos os lados, mas nunca deixando de cumprir sua função na conciliação de classes. (Tainá Reis).
  2. CF88 e população indígena No auge dos debates sobre a inclusão dos direitos indígenas em 1988, Ailton Krenak e apoiadores subiam ao Congresso Nacional em defesa aos povos originários e desde então a Constituição Federal de 1988 representa uma quebra de visão colonialista abrindo espaço para uma postura de respeito à identidade cultural e os direitos originários sobre as terras tradicionalmente ocupadas, assim ficando implícito o direito já existente as terras por eles habitadas. O artigo. 231, da CF88, diz: “São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. E mais, o § 4º diz, “as terras de que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis”. Paradoxalmente, as terras indígenas vêm sendo cada vez mais invadidas e atacadas por fazendeiros, madeireiros, grileiros, garimpeiros provocando grandes desmatamentos, genocídios e perda grande dos conhecimentos e população indígena (Marcia Camargo).
  1. Aplica-se em 1948 a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), garantindo a todo cidadão o direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. No entanto, o Artigo XXVI estabelece uma série de metas educacionais, que focaliza a educação para os direitos humanos — os países devem assegurar a toda sociedade seus direitos prescritos em lei, direcionando-os a pactos de direitos civis e políticos, direitos econômicos, sociais e De modo objetivo, concretizar debates acerca de projetos de educação no Brasil, ressalva o que Paulo Freire destaca em a Pedagogia do Oprimido, remetendo o processo educacional à condição dialógica, ou seja, escutar de fato o indivíduo — as massas populares são oprimidas para a conquista do opressor. Por assim dizer, reduz a uma imposição “antidialógica”. O Art. 205 da Constituição Federal Brasileira (1998), define que o Estado não deve, de forma alguma, abster-se deste dever público. Embora tenha sido conquistado, não são dádivas, os direitos são mudanças de costumes e lutas sociais. Entretanto, o Art. 206 apresenta que todo indivíduo tem a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber. A educação básica então, tem por finalidade, segundo o artigo 22 da LDB, “desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”, não limitando a prática da educação à transmissão de conhecimentos. (Giovanna Maria Reco Picirilli).
  2. Desde que o homem passou a viver de forma organizada e produtiva todo seu domínio político e econômico sobre os demais, estavam respaldados por narrativas específicas e construções sociais, podendo ser destacadas três grandes narrativas: a fascista, comunista e A narrativa liberal, por sua vez, valoriza, especialmente, as liberdades individuais, incentivando o abandono dos antigos regimes ditatoriais e a substituição por regimes democráticos. O verdadeiro Estado Democrático de Direito deve se preocupar com as formas de garantia do exercício dos direitos sociais e individuais de cada cidadão, merecendo especial atenção aos direitos à vida, à liberdade, ao bem-estar, ao desenvolvimento, à igualdade e o acesso à justiça. Sendo o acesso à justiça entendido como um “direito natural” e que não necessita de uma ação estatal para sua proteção, como explicar a pobreza, a desigualdade, a violação das garantias fundamentais e de direitos humanos? Logo, a atuação positiva do Estado se faz necessária para assegurar o gozo de todos os direitos e garantias fundamentais e a Constituição

Federal de 1988, no Brasil, assumiu a posição fundamental para que o efetivo acesso à justiça seja alcançado e garantido a todos os cidadãos. (Vanderlei Freitas Nascimento).

  1. DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS AO FOLCLORE BRASILEIRO: A lenda do Boto-Cor-de-Rosa é muito conhecida na região amazônica do Brasil, que diz que um rapaz charmoso enfeitiça mulheres e meninas e que após esse fato, decorridos nove meses, há o nascimento de uma criança, filha deste homem-boto. Será que esta lenda não se trata de uma maneira de banalizar o estupro da mulher ou até mesmo de se justificar atos de pedofilia e incesto? A Constituição Federal Brasileira, no rol dos direitos fundamentais, traz no seu artigo 5º, incisos I e X, a igualdade entre homens e mulheres, assim como a inviolabilidade da vida privada, da honra e da imagem das pessoas. O estupro é o único crime em que a vítima sente culpa e vergonha, difundido pela cultura machista, onde ocorre a vilanização da padecente, onde há falta de políticas públicas e a ausência de esclarecimento e educação social, que se criou uma cultura que se justifica o abuso sexual, seja pela maneira que a mulher se veste ou comporta ou mesmo como no folclore, mexendo com o imaginário das pessoas. De acordo com o anuário brasileiro de segurança pública, 01 (um) estupro é cometido no Brasil a cada 08 (oito) minutos, números que devem ser muito maiores se for considerado a resistência das vítimas a sair do anonimato, muitas mulheres preferem guardar a tragédia para si, do que correr o risco de serem consideradas as algozes. Além do rol dos direitos fundamentais da Constituição Brasileira, na parte que trata ‘Da Família, da Criança, do Adolescente, do Jovem e do Idoso’, no artigo 226, parágrafo 8°, está disposto o seguinte (BRASIL, 2010): “ 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. § 8º O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações”. Diante do exposto e desta triste realidade das mulheres brasileiras, constata-se que a Constituição Federal traz garantias para coibir esse tipo de abuso, mas há a clara falta de vontade de as colocar em prática, pois quando um Chefe de Estado diz a uma deputada, a frase: ‘Não te estupro porque você não merece’, é sinal que a ferida cultural é muito mais séria e que dão entender que ideologias valem mais que o próprio regime normativo de um país. (Ana Cristina Mahle).
  1. A CF88 é reconhecida em seu processo histórico como a “Constituição Cidadã”, pois em seu bojo consta direitos sociais que permeiam a seara econômica que garantem a manutenção da segurança social. Contudo, esta segurança tem sido continuamente vilipendiada por meio das Projetos de Emenda Constitucional (PEC) provocando a sua transmutação, sobretudo ao que tange as questões da segurança social econômica. Dentre tais, são exemplos: (i) a Lei do Teto dos gastos, cuja função limita os gastos de investimentos e privilegia os gastos financeiros; (ii) a determinação de conceder a independência do Banco Central, criando um quarto poder e, possivelmente, o mais influente; (iii) “orçamento de guerra” o qual outorga ao Banco Central o poder comprar títulos públicos e privados, seja no mercado nacional ou internacional. Dessa forma, justifica-se a importância de uma análise critica e propositiva sobre o tema, a fim de valorizar em sus origem, o instrumento magno da democracia e das garantias sociais sob a perspectiva econômica. (Willian Retamiro).

Metodologia

Trata-se de um grupo de pesquisa que deverá se reunir periodicamente, de forma remota, a fim de se expor o andamento/aprofundamento das investigações acerca do Objetivo Geral e dos objetivos específicos. A seguir, arrolamos um caso, um exemplo, de estudo preliminar de tema constitucional e, mediante, análise transversal.

1º Estudo: Viver o meio ambiente para conviver

No artigo, pretendemos estabelecer um arco demonstrativo de que a Constituição Federal de 1988 (CF88) foi moldada, em sua essência pragmática (nomológica), em seguimento ao Princípio do Processo Civilizatório. Portanto, nossa premissa maior é de que a Constituição Federal de 1988 é uma Carta Política (MARTINEZ, 2019), em vários aspectos e por vários motivos. Entretanto, nenhum de seus princípios basilares é superior ao Princípio do Processo Civilizatório. A CF88 não apenas alinha-se ao Processo Civilizatório como o destaca explicitamente, e não em uma única vez. No sentido mais amplo, ainda podemos/devemos observar que o Princípio do Processo Civilizatório está angariado no TÍTULO VIII – Da Ordem Social. Desse modo, pode-se avaliar que o princípio maior recobre toda a sociedade e inclui todas as formas de sociabilidade que, exatamente, performam a formação social brasileira. Com isto, ainda reforçamos a

concepção de que a Ciência da CF88 é emancipatória, inclusiva, participativa, democrática e, evidentemente, laica (art. 19) e teleológica: prospectiva de futuro (art. 225 da CF88). O artigo 214 da CF88 também não deixaria dúvidas, especialmente o inciso V:

  • 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de duração decenal, com o objetivo de articular o sistema nacional de educação em regime de colaboração e definir diretrizes, objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar a manutenção e desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis, etapas e modalidades por meio de ações integradas dos poderes públicos das diferentes esferas federativas que conduzam a: [. ]

V – promoção humanística, científica e tecnológica do País (BRASIL, 1988, grifo nosso).

É óbvio, portanto, que a CF88 daria abrigo sistemático – por meio do estabelecimento de obrigações públicas de fazer, ao Estado, evidentemente, e impondo- se garantias aos direitos fundamentais – em áreas especialmente sensíveis à sociedade como um todo. Basta-nos olhar a composição do Título VIII para efetivarmos a Segurança Constitucional quanto a isso, nas “áreas de cobertura”: Seguridade Social, Saúde, Previdência Social, Assistência Social, Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, Comunicação Social, Meio Ambiente, Família, Criança, adolescente e idoso, Índios (ainda que coubesse revisão do texto para “populações indígenas”).

Neste sentido mais tecnicista que deriva dos aportes da Ciência da CF88, inferimos que a aposta no Processo Civilizatório (art. 215, §1º, da CF88) rechaça de plano qualquer postura negacionista e amparada em pensamento anticiência, bem como recusa-se qualquer retrocesso sociocultural.

A Constituição estatui que o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e o acesso às fontes de cultura nacional, apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais, destacadamente as populares, indígenas e afro-brasileiras e de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional (SILVA, 2016, p. 860 – grifo nosso).

Reafirmamos que o pertencimento da cultura ao Processo Civilizatório é uma constante, bem como o fato de que o pensamento negacionista não tem acolhimento na CF88, especialmente no escopo da formação cultural, como bem interpretou o STF:

Se de um lado a Constituição assegura a livre iniciativa, de outro determina ao Estado a adoção de todas as procidências tendentes a garantir o efetivo exercício do direito à educação, à cultura e ao

gênero [arts. 23, V, 205, 208, 215 e 2172, § 3º, da CF]. Na composição entre esses princípios e regras há de ser preservado o interesse da coletividade, interesse público primário. O direito ao acesso à cultura, ao esporte ao lazer são meios complementares a formação dos estudantes (STF, ADIn 1.950, rel. Min. Eros Grau, Pleno, j. 03.11.2005).

Assim, reafirma-se o preceito disposto no art. 215, § 1º, alocado no guarda-chuva civilizatório da Carta Política: “Dificilmente um projeto de justiça social para a nação brasileira terá sucesso se não for culturalmente aceito. Os objetivos e fundamentos estipulados na Constituição (cf. arts. 1º e 3º) projetam a identidade cultural do futuro” (MEDINA, 2014, p. 708).

O voto a seguir é extenso, mas absolutamente condizente nesse Arranjo Constitucional civilizatório em que devemos pensar de modo articulado tanto a cultura inclusiva, quanto a preservação do meio ambiente e o reconhecimento do Direito Originário (como nomos da vida indígena) – e para termos clareza do quanto regredimos no Processo Civilizatório, pois até os manguezais estão ameaçados pelo Poder Público3:

Era constitucional compensatória de desvantagens historicamente acumuladas, a se viabilizar por mecanismos oficiais de ações afirmativas […] pois a aculturação de que trata a Constituição não é perda de identidade étnica, mas somatório de mundividências. Uma soma, e não uma subtração. Ganho, e não perda […] Concretização constitucional do valor da inclusão comunitária pela via da identidade étnica. 10. O FALSO ANTAGONISMO ENTRE A QUESTÃO INDÍGENA E O DESENVOLVIMENTO   […]   o   objetivo   fundamental   do   inciso II do art. da Constituição Federal4, assecuratório de um tipo de “desenvolvimento nacional” tão ecologicamente equilibrado quanto humanizado e culturalmente diversificado, de modo a incorporar a realidade indígena. 11. O CONTEÚDO POSITIVO DO ATO DE DEMARCAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS […] 11.2. O marco da tradicionalidade da ocupação. É preciso que esse estar coletivamente situado em certo espaço fundiário também ostente o caráter da perdurabilidade, no sentido anímico e psíquico de continuidade etnográfica […] Áreas indígenas são demarcadas para servir concretamente de habitação permanente dos índios de uma determinada etnia, de par com as terras utilizadas para suas

atividades produtivas, mais as “imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar” e ainda aquelas que se revelarem “necessárias à reprodução física e cultural” de cada qual das comunidades étnico-indígenas, “segundo seus usos, costumes e tradições” (usos, costumes e tradições deles, indígenas, e não usos, costumes e tradições dos não-índios). Terra indígena, no imaginário coletivo aborígine, não é um simples objeto de direito, mas ganha a dimensão de verdadeiro ente ou ser que resume em si toda ancestralidade, toda coetaneidade e toda posteridade de uma etnia […] 12. DIREITOS “ORIGINÁRIOS”. Os direitos dos índios sobre as terras que tradicionalmente ocupam foram constitucionalmente “reconhecidos”, e não simplesmente outorgados […] Essa a razão de a Carta Magna havê- los chamado de “originários”, a traduzir um direito mais antigo do que qualquer outro […] O modelo de demarcação das terras indígenas é orientado pela ideia de continuidade. Demarcação por fronteiras vivas ou abertas em seu interior, para que se forme um perfil coletivo e se afirme a auto-suficiência econômica de toda uma comunidade usufrutuária […] a evitar que se dizime o espírito pela eliminação progressiva dos elementos de uma dada cultura (etnocídio). (…)” (Pet 3388, Relator (a): Min. CARLOS BRITTO, Tribunal Pleno, julgado em 19/03/2009, DJe-181 DIVULG 24-09- 2009 PUBLIC 25-09-2009 REPUBLICAÇÃO: DJe-120 DIVULG 30-06-2010 PUBLIC 01-07-2010 EMENT VOL-02408-02 PP-00229 RTJ VOL-00212-01 PP-00049 – grifo nosso).

Essa prescrição está absolutamente de acordo com o referido art. 23, VI e VII, bem como com o art. 225 da CF88: a preservação do meio ambiente se desloca exatamente para o coração da CF88, na qual se encontram a alma, o espírito, o xamã dos povos indígenas – o que se deslinda a partir do art. 231 da CF88.

Se o (e)leitor não consegue ler aí a Demarcação Constitucional, por óbvia, do Processo Civilizatório, então, podemos concluir que o problema não é mais de hermenêutica, mas sim de natureza ética. Pois, é no sentido emancipatório e alinhada ao Processo Civilizatório que se deve ler a CF88; sobretudo, o capítulo destinado aos indígenas (CAPÍTULO VIII).

Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. § 1º São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias à sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições. § 2º As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes. Art. 232. Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério Público em todos os atos do processo (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Vê-se claramente que se instituiu constitucionalmente os indígenas como “legítimos” para interpelar por seus direitos e até interpor contra o Estado e a chamada sociedade nacional (art. 232). Internamente, devastamos a Floresta Amazônica com a desculpa do agronegócio e sem a culpa jurídica (na verdade dolo) porque a Bancada BBB é uma das mais poderosas (ricas) do Congresso Nacional. No plano global, corremos o risco de ter um planeta de plástico5. Em 2020, a queimada do Pantanal é iniciativa criminosa para se ampliar a área de pasto – até o Poder Público chegou a esta conclusão intempestiva6.

Mais do que oportuno, sempre é necessário indagar o porquê do art. 225 da CF/88 não ter protegido o cerrado, a caatinga e os pampas. Atualmente, os três deparam-se com um verdadeiro Estado de Emergência Ambiental. O cerrado, já em 1988, estava na mira do agronegócio, especialmente com a exploração da soja. A caatinga, enquanto esteve sob a exploração tradicional, familiar, para obtenção de lenha e caça de subsistência, conseguiu se recuperar; porém, quando passou a produzir carvão conheceu a extração em escala e aí teve início o processo de desertificação. Com os pampas gaúchos o processo de desertificação não é diferente e, neste caso, não se obteve resguardo constitucional por força da indústria da pecuária. Nas três situações, a força do capital falou mais alto do que os princípios ambientais constitucionais. E, nos três, a interposição de gravidades ambientais e sociais implicam nas condições mínimas do Estado de Emergência Ambiental. Em nossa conclusão neste ponto, afirmamos que a Política é o eixo essencial, fulcral, do meio ambiente construído pela cultura em que se (trans)forma a sociabilidade humana. Realmente, o caldo entornou7, mas foi por meio de genocídio programado, nesta fase do Necrofascismo de 2020. É desse modo que pensamos uma síntese de nós mesmos.

RESUMO DO PAÍS: Nosso país enfrenta e sempre enfrentou (ou sempre enfrentará) um grave problema: a transformação das saúvas de Monteiro Lobato (2019) em corruptos contumazes da democracia e da República (MACHADO DE ASSIS, 1994). Infelizmente, enquanto povo, não somos peritos em realidade nacional e, por conseguinte, nossa corrupção não é só institucional, é da alma, pois aceitamos corromper a democracia e, agora, sob a forma de um Estado Fascista, para saciar saúvas muito piores. Assim, de nada adianta pensarmos em fórmulas legais no seu combate, se nada ou pouco fizermos para debelar a cultura do malfeito e do Fascismo Nacional. É claro que ouvidorias, tribunais de contas e o controle externo, popular, são necessários, urgentes. Mas, sem que se mude a cultura geral, ainda debateremos por muito tempo: O que faz o Brasil, brazil… (DAMATTA, 2000) não é só a ausência ou a ineficácia dos principais institutos do Estado de Direito, da República e da Democracia. A questão deveria ser outra: Os institutos jurídicos visualizados no conto A Sereníssima República, de Machado de Assis, por exemplo, resolverão nossos dilemas? Sem modificar alma brasilis, naquilo que tem de pior – hipocrisia, seletividade, racismo, patriarcalismo, misoginia, homofobia e, agora, uma Agorafobia como destinação da Política ao Fascismo -, os muitos esforços surtiriam poucos efeitos. Podemos repetir a antiga questão mil vezes, mas é preciso mudar desde “o berço”, como diziam os antigos. Essa é uma lição histórico-cultural das mais sagradas para se adentrar no terreno pantanoso de nossa formação social. Com esse intuito, neste texto, vimos a CF88 como a antítese do que pensamos e fazemos para nós mesmos como formuladores natos do antidireito de que falou Roberto Lyra Filho (2002). Vimos a CF88 como oposto ao Abapuru (Tarsila do Amaral) abatido pelo capitão do mato, como homem médio em sua vida comum resumido às suas Vidas Secas (GRACILIANO RAMOS, 2003)8. Porém, isto ainda reforça como o país se mostrou ser um derivado infrutífero, transgênico, a partir de um enxerto entre o ornitorrinco e o porco espinho: um rizoma fascista que desertifica o solo, a vida social, a cultura, o povo.

Justificativa

A seguir, para efeito de esclarecimento, aprofundaremos um pouco mais o sentido já esboçado de Carta Política, bem como traremos uma abordagem inicial das subáreas iniciais que deverão constar desta proposta inicial.

Ser ou não ser? Esta dubiedade, incerteza, alienação, é parte da vida social da Humanidade: é Fascismo ou não?

Porém, sob a Política, o “fazer-se política”, a lei deve ser assertiva para minimizar essa exposição. Por exemplo, a CF88, enquanto mapa teleológico, deve ser um guia, uma bússola moral, para que o cipoal seja retirado da frente das políticas públicas.

A prevalecer a CF88, o Poder Público deve estar em equilíbrio institucional, mas não em pódio centrista, pendendo ou podendo cair do muro em qualquer dos lados que arregimente mais poder ou sob júdice da “lei do mais forte” (MÉSZÁROS, 2015). Neste momento, em 2020, nós tendemos à barbárie fascista, com enorme constrição de direitos e de garantias fundamentais.

Por sua vez, ao contrário disso, a CF88 é expressa a fim de que Hamlet (SHAKESPEARE, 2004) não nos coloque como o “não-ser”. Esta opção não é válida à vida humana e social. Sob o art. 225 da CF88, a Amazônia, o Pantanal e os manguezais (também os Pampas, o Cerrado, a Caatinga) devem ser prioridade – para que “sendo”, também possamos ser.

• Como patrimônio nacional – natural, social, cultural (art. 225, § 4º, da CF88 – a preservação do meio ambiente nos inclina diretamente ao Processo Civilizatório (art. 225, caput).
• Assim, a teleologia é esta bússola moral que nos preserva enquanto vida social, garantindo-se que o presente e o futuro das próximas gerações seja uma realidade e não uma evidência.
• O meio efetivo, o mecanismo político-jurídico, de Segurança Constitucional ao Processo Civilizatório também está inscrito na Carta Política de 1988: trata-se da integridade do patrimônio genético e a ativação do Princípio da Diversidade (225, II).
• Quando isto não ocorre, como diz Hamlet, é porque há algo de muito podre no Reino da Dinamarca e mais ainda no Brasil de 2016-2020.
• Enfim, concluindo-se parcialmente este aspecto, pode-se dizer que precisamos expandir o direito à consciência que nos permita entender que toda Constituição tem uma unidade política; todavia, como Carta Política, na CF88 prefigura-se uma utilidade política, notadamente, para que nenhuma cidadã, nenhum cidadão, pergunte-se se é ou não.

O que fazemos ao buscar orientação para uma ciência da CF88 não deixa de ser a aplicação de uma técnica ao próprio Texto Constitucional. Porém, tanto esta forma de abordar, inquirir, a CF88, quanto o próprio Objeto Positivo da CF88 – Princípio da Inclusão dos Direitos da Cidadania – são manifestações culturais; não são técnicas ou ciências positivistas no sentido específico de obtenção de neutralidade ou equidistância do conhecimento. Pelo contrário, trata-se de conhecimento técnico, político-jurídico, a serviço da militância em favor dos direitos de cidadania (BORJA, 1998, p. 115).

Do mesmo modo, sob o alcance do Objeto Positivo da CF88 (pluralismo, mutualismo e multiculturalismo9), técnica e ciência aplicadas à CF88 são de natureza político-jurídica, e isto quer dizer que se autorreferenciam como inclusão e manifestação cultural do Conteúdo Constitucional (BORJA, 1998, p. 115).

De tal sorte que, à frente do realismo político, deve-se diferenciar os direitos políticos quando se observa a análise do cientista político e do jurista – propriamente dito (BORJA, 1998, p. 118).

No que se refere ao Processo Civilizatório em destaque na CF88 – desde o art. 4º, IX e 215, § 1º – já fica sobrestado também que deve receber auxílio, nesta inicial Ciência da CF88, da Filosofia (ou Filosofia Constitucional), da Sociologia, da Antropologia Política, da Ciência Política, notadamente quando se referenciam os povos da floresta e todas as populações marginalizadas pelo próprio Estado de Direito, uma vez que só reconhecem o poder do giroflex (BORJA, 1998, p. 118).

Desse modo, reforçamos as diretrizes da CF88 e o emprego de uma metodologia constitucional que devemos fixar nesta leitura da Ciência da Carta Política. Neste sentido, entendemos que a Ciência da CF88 é mais devedora das Ciências Sociais e da Filosofia Constitucional do que de uma nomologia positivista – ainda que seja essencial enquanto conhecimento técnico a contribuir com a Luta pelo Direito.

Uma leitura apurada dos direitos fundamentais individuais e sociais revela que a CF88 é inclusiva, emancipatória, cultural e expansiva.

A Ciência da CF88 traz as marcas do Constitucionalismo Moderno – Estado de Direito Democrático de 3ª Geração (por exemplo, com a internacionalização do direito à soberania: um tipo de internacionalização da liberdade negativa) – e, no caso em tela, da

Ciência Política (ou mais precisamente da Teoria Política) e da Filosofia Constitucional, da própria Ética Constitucional, da Antropologia Política (fortemente cultural) e de outros substratos e constituições – por analogia, comparação, dedução. Esta forma de metodologia angaria-se da História, sobretudo da História Constitucional, e da indução, sobremaneira quando pensamos que referências apostas aos arts. 4º, IX e 215, § 1º, são mais do que divisores de valores; antes de tudo, são indutores de padrões civilizatórios que devem guiar (constitucionalmente) a sociedade, os indivíduos e o Poder Político. Se isto não ocorre, como se sabe, o problema não é constitucional, mas sim da condição social e do realismo político enfrentando no país, mormente, sob os ganchos do Fascismo Nacional ou Necrofascismo.

Assim, afirma-se uma abordagem da CF88 que repudia todo sentido autoritário, a exemplo daqueles que defendem o art. 14210 como afirmação de um suposto “poder moderador” a dar base a uma Constituição Cesarista. Pela imposição do Princípio da Unicidade Constitucional11 e pela interposição do Princípio do não-Retrocesso Social, esse tipo de hermenêutica é ridicularizado.

Ao contrário disso, a Ciência da CF88 deve perceber, ressaltar que se trata de uma Constituição Antifascista, anti-cesarista, e isto ainda revela muito do que seja a Ciência da CF88 – como Carta Política decisiva à socialização e ao humanismo. É obvio, portanto, apregoarmos que o Processo Civilizatório só se faz presente com garantias efetivas às gerações futuras (art. 225) e mediante a compreensão de que a Ciência da CF88 enfatiza o patrimônio cultural, ambiental, institucional, social.

Por outro lado, há uma relação intrínseca entre a Política (e o realismo político) com toda Constituição, e com a CF88 não seria diferente: pelo simples fato de toda Constituição ser política, no sentido de expressar as relações de poder e de dominância predominantes em determinado contexto – especialmente quando da fluência do Poder Constituinte. Por mais técnica ou histórica que se apresente, toda Constituição institui direitos e delimita o Estado e o poder; contudo, trata-se de um processo em

concomitância, pois o próprio Poder Constituinte é o resultado do entrechoque de outros poderes constituídos socialmente e, deste embate, toda Constituição apresenta-se compromissória. A CF88 é compromissória, sem que seja uma exclusividade, portanto. Da forma de governo, a estruturação do Poder Político, a relação entre direitos, deveres, garantias e liberdades, o arranjo entre os três poderes, os mecanismos de freios e contrapesos, à regularidade (ou não) de eleições e emissão de moedas, tudo é representativo dos compromissos assumidos na ocorrência do Poder Constituinte – e depois, sob o Poder Constituinte Derivado e controlativo do processo jurídico. Aliás, tudo será compromisso político, inclusive se a Constituição é outorgada ou promulgada; para este último caso, há que se observar algumas entrâncias do Princípio Democrático – e que, em tese, é a guia do Processo Civilizatório postado na Carta Política de 1988.

PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO: processos, atores, fatores

É provável que nenhuma experiência, construção/fabricação humana cobre tanto por resultados, do que, comparativamente, a democracia. Nem mesmo a medicina intensivista. Na UTI, chances de sobrevida em 10 % significam que de cada cem pessoas dez irão sobreviver.

Na democracia política, a redução dos acertos políticos a 10% de sucesso ou efetivações implica em derrota do regime democrático em 100% das vezes. Nenhuma democracia no mundo, no passado ou no presente, sobrevive(u) sem resultados claros, satisfatórios, evidentes.

Se pensarmos que, por si, a democratização da política – garantia do pluralismo político, como está posto na CF88 (art. 1º, V) – também não assegura muita coisa, porque podemos ter muito “mais do mesmo”, a exemplo do Partido Revolucionário Institucional

– México, então é preciso ter clareza que a democracia sempre requer adjetivação: democracia política, democracia social, democracia econômica, democratização cultural.

A democracia é uma promessa, às vezes mais perto de se concretizar, muitas vezes bem distante dos sonhos originais, pioneiros: vide os Pais Fundadores, nos EUA. Isto quer dizer que, se a democracia é uma promessa, nunca é uma realidade integral: nós prometemos sobre o futuro, sequer pensamos no presente. O passado, portanto, não passa de um aviso: “– Aí vocês podem encalhar, naufragar!!”.

Isto também quer dizer que, promete-se sobre algo a ser modificado, corrigido, melhorado. Este é o sentido de se apostar na democracia como uma resposta ao próprio Princípio da Perfectibilidade, na busca por mecanismos e rotas corretivas, tendo-se em vista a continuidade e o aprimoramento do processo, da jornada.

Agora já podemos pensar na democracia como um conjunto amplo, complexo, de (a)fazeres, projeções, regras e de procedimentos. Há uma processualidade, enquanto ultrapassagem de metas, obstáculos e também porque todo processo exige programação, regramento, certa disciplina e controle sobre a relação entre meios e fins.

Sem planejamento e estratégia, o “fazer-se política”, democrático ou não, está fadado ao fracasso, posto que não aglutina virtudes. Sem virtudes, as vicissitudes tanto podem ser “alternativas” quanto meras instabilidades; vicissitudes sem virtudes correm pela lógica da exclusão: se não errei, posso ter acertado.

Portanto, trata-se de um erro primário, na lógica (que não admite a conjunção e/ou, uma vez que “ou” e “e” são antitéticos) e na política (que só admite vitória), pois o resultado pode não passar da “soma-zero”. Zero a zero, na democracia, o que é? É o convite ao engajamento oportunista de forças disruptivas: algumas de coorte fascista.

Observa-se isto, historicamente, tanto na democracia direta (presente na Comuna de Paris) quanto da democracia representativa erigida em formato de Colégio Eleitoral: a de 2020, nos EUA, é exemplo, em que se vota pelo correio e a contagem é manual.

Este amplo cenário, teatro de operações políticas, técnicas, táticas e estratégias de embates e de desembarques, dominação ou direção, podemos denominar de Princípio Democrático: entrelaçamento, esgarçamento, aprimoramento entre processos, atores, fatores.

Não é à toa que, techné significa arte, política e técnica. Arte da negociação, mas também arte da dominação do poder: virtù, diriam os antigos romanos. Ou virtus, virtualis, potência e razão, seguindo o latim clássico, até chegar-se à Razão de Estado. Afinal, não existe escapismo ou “vazio de poder”: alguém toma o lugar.

Por outro lado, deve-se pensar que (via de regra) nós apenas corrigimos o que está errado; afinal, o que vem certo, no máximo, busca-se aprimorar. Pela lógica não se corrige o que está correto, mas se aprimora.

A democracia exige, digamos assim, uma nota bem afinada com o bom senso. Neste caso, basta-nos dizer que ninguém em perfeito juízo jogaria fora um diamante, por ser “bruto”, uma vez que deve ser lapidado como um brilhante; tanto quanto não se joga fora o bebê com a água suja do banho.

Esta, digamos, temos aqui uma regra de apoio e de refinamento aplicada ao Princípio da Perfectibilidade: depuração, higienização, da própria democracia e de suas instituições de referência e de sustentabilidade.

E, assim, ainda notabilizamos que a democracia, em qualquer dos seus formatos, apoia-se em determinadas instituições, além das regras e dos procedimentos. O que podemos/devemos discutir é o formato, o conteúdo, até mesmo a supressão de algumas instituições e certas tecnicalidades (tecnoburocracias), mas nunca sua existência.

Pois bem, neste andar, chegamos a dois possíveis caminhos (ou uma encruzilhada) para a democracia: ou a aprimoramos, empregando-se a busca da perfectibilidade (olhando da Grécia antiga até hoje), ou corrigimos o (des)caminho apontado, criticado.

Cabe, assim, uma pergunta: o kibernets grego está em boa companhia nesta navegação?

Na prática, ainda podemos visualizar duas possibilidades:

  • Veja-se o Princípio do Sufrágio Universal, na rota do aprimoramento que apazigua a viagem, a fim de que muitos outros, “novos”, sujeitos possam se instalar e participar, refazendo-se no passeio pela Política.
  • Se os “novos” ingressantes da nossa nau de navegação política forem somente passageiros sem envolvimento, meros espectadores, é muito provável que o capitão do barco se sentirá tão à vontade que será capaz de inovar no percurso e, por vezes, o destino pode não ser aquele planejado quando compramos a passagem do passeio político.

Aliás, sem viajantes responsáveis (politicamente), a viagem pode ter um cupom só de ida; sem dialogicidade, complementação na discordância, superação das diferenças, fatalmente, desembocaremos numa rua de mão única.

Se e quando é possível, no âmago democrático, este seria o instituto do consenso, capaz de transformar minorias em maioria. É fácil notar que a maioria não passa de um aglomerado de minorias consensuais, inclusive repleta de individualidades e “idiossincrasias” pessoais e políticas – ou partidárias.

Também não está de todo errado o ditado popular ao afirmar que “toda regra tem exceção”, e os exemplos são infinitos, pois, é mediante esta ideia de excepcionalidade – sobretudo quando se impõe a vontade da maioria – que se evita, fortemente, a criação de uma “tirania da maioria”, com evidentes deméritos às minorias alijadas do tal processo.

A maioria é quem faz as regras; porém, a excepcionalidade garante que as minorias possam se sublevar – no jogo democrático – e, desse modo, passarem a requerer regras específicas: é fácil de percebermos que aí atuam as políticas afirmativas, por exemplo.

Em outras palavras, se a maioria trabalha com regras de isonomia, ao menos no

que tange aos “incluídos como vencedores” da contenda, da disputa no pleito, as minorias

irão se bater pela equidade: porque é este, exatamente, o caminho jurídico (afirmado em Direito) de inclusão dos excluídos.

Este consenso obtido, ainda que temporariamente, nos remete ao pensamento de que a maioria é formada por minorias que, em certa fase, comungaram com aspectos acertados – suficientemente comuns para que “muitas diferenças” fossem disfarçadas em voto majoritário. Digamos que se criou uma pauta comum, e mesmo que esta pauta não perdure até o próximo jantar, trata-se da ideia de que a política é negociação.

Quem não negocia, interage politicamente, simplesmente pode parar numa ilha deserta, quase inabitada, onde mora um rei, entronizado por ele mesmo e pelos marinheiros de uma primeira viagem bem aventureira: o que podemos chamar de irresponsabilidade política.

É comum, por exemplo, outsiders negociarem com o underground e o resultado, como forma de governo, é equivalente à Idiocracia brasileira: bafejante de vapores de cloroquina disruptiva, ao Lumpemproletariado político. Como seguidores de Bonaparte, da farsa à tragédia, somos gados no abatedouro de um cesarismo bonapartista – entre Marx e Gramsci.

A pena, neste caso, no caso desta desídia política ou para quem desafia o “rei do monte” – nosso retrato político desde 2016 –, é o desterro, o desembarque prematuro e forçado, como se fosse um Robson Cruzoé condenado ao ostracismo.

Os gregos antigos davam conchas vazias de ostras, em número equivalente aos anos de banimento, exílio, ao ser social que deixaria de ser “animal político”. Como se vê, igualmente é a pena para quem desafia a ordem: Sininho, dos Black Blocs, foi condenada judicialmente ao isolamento político, à dessocialização política.

Desse modo, quase concluindo, retomamos o curso indicado no início desse mapa político que traçamos para a democracia – ou para uma possível ideia de democracia. Ou seja: um erro pode custar caro, muito caro, sobretudo, se o erro é daquele tipo em que todos querem apenas olhar a paisagem política pela escotilha, sem molhar com o próprio suor o convés do navio em que se deveria apresentar o Banquete dos Deuses: na Ágora.

Por fim, está claro, mas não custa repetir: o maior erro da democracia é a inércia, a maresia, quando o lastro está arriado, sem velas ou com um timoneiro doido para golpear as coordenadas, ou, então, porque as âncoras estão afundadas no lodaçal, quando se está, literalmente, empacado, atolado sem nenhuma mobilidade ou perspectiva, quiçá uma “promessa” de, dali sair.

Este erro, por óbvio, implica em dizer que a inércia, a apatia, o encalhamento – a submersão do “Analfabeto Político” de Brecht ou do Zé Ninguém político, de Reich, dos “servos voluntários” de La Boetie, naquele nó, que é o “Nós”, de Zamiatin –, nos leva à falta de resultados no teatro de operações, quando não temos estratégia e nem direção, posto que estamos afundados na imobilidade que nos torna reféns do realismo político.

Por sua vez, o realismo político, este, sim, é implacável, uma vez que exige de todos nós nada menos do que resultados imediatos e contínuos. Assim é a Política na democracia, um “fazer-se política” no mar revolto habitado por muitos tubarões e predadores famintos.

A Política, a polis, o teatro estratégico das operações de poder, pode e deve ser a terra em que se festeja continuamente, sob o frenesi do Banquete dos Deuses, mas, nunca, jamais, será o reino do perdão, em que as boas almas procuram pela absolvição. Os anjos foram, definitivamente, expulsos do Reino da Política.

Na lição clássica de Max Weber, vicejam entre nós os fautores patriarcas que só “vivem da política”. No Fascismo Nacional, tudo o que não há, é a “vida social para a Política”. Esta ideia explicita o sentido de que, na política, o objetivo é vencer e não, necessariamente, convencer.

Pode-se vencer sozinho, por exemplo nas formas autocráticas de poder que aniquilam esta democracia de que falamos até momento. A democracia, fazendo um último paralelo, obviamente, forma vitoriosos, mas ninguém é, verdadeiramente, vitorioso, no jogo democrático, sem a conquista do convencimento.

Em conclusão, já meio manifesta, podemos deduzir quatro observações:

  1. A Política, sob a bandeira democrática, não terá sempre um céu de brigadeiro para desfraldar, mas também não se moverá em uma eterna tempestade
  2. A democracia pode ser a força disruptiva do poder, se aqui tratamos de um poder autocrático; entretanto, se entendermos o poder como organização

– e, neste caso, é difícil não concluir que se trata de organização social –, a autocracia é que atuará como força disruptiva do Princípio Democrático.

  • Engana-se, redondamente, quem pensa que no jogo político (democrático ou não) os participantes são “apenas” competidores, pelo simples fato de que todos querem vencer.
  1. Na democracia social e política, todo esforço em prol da autonomia – amplitude de horizontes para “quem se dá as próprias regras, a fim de se

fazer política” – terá benefícios inconclusos, mas obrigatórios, no embate contra a tecnoburocaria e no desmanche das idiossincrasias.

Por fim, uma diferença básica entre democracia e autocracia (o seu real oposto) é que, somente no segundo caso, os adversários são convertidos em inimigos. Isto é, a democracia não é base do realismo mágico e muito menos de um realismo trágico; como se diz, dos “males o melhor”.

Desse modo, confirmamos nossa premissa maior, ao estatuir que: na incidência da Carta Política – a Constituição Federal de 1988 –, a democracia compensa, porque é compensatória.

Referências

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 12ª ed. Malheiros Editores Ltda

: São Paulo, 2002.

           Teoria do Estado. 4ª ed. São Paulo : Malheiros Editores Ltda, 2003.

           Do Estado Liberal ao Estado Social. 7ª ed. São Paulo : Malheiros, 2004.

            Do país constitucional ao país neocolonial: a derrubada da Constituição e a recolonização pelo golpe de Estado institucional. 4ª ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BORJA, Rodrigo. Enciclopedia de la Politica. (2ª ed.). México : Fondo de Cultura Económica, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional de revisão. no 65, de 2010. Lex: da família, da criança, do adolescente, do jovem e do idoso, São Paulo, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 1988.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? 11. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Princípios Fundamentais do Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2009.

FILHO, Roberto Lyra. O que é direito. 17. edição. São Paulo: Brasiliense, 2002. GRACILIANO RAMOS. Vidas Secas. 91. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. (Org. Carlos Nelson Coutinho). V. 2. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2000.

LOBATO, Monteiro. Cidades mortas e outros contos. Jandira: Ciranda Cultural, 2019.

MACHADO DE ASSIS. A sereníssima República e outros contos. São Paulo: FTD, 1994.

MACHADO DE ASSIS. O alienista. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2014.

MARTINEZ, Vinício Carrilho. O CONCEITO DE CARTA POLÍTICA NA CF/88:

freios político-jurídicos ao Estado de não-Direito. Pesquisa de Pós-Doutorado em Ciências Jurídicas. Jacarezinho/Paraná: Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP, 2019.

MEDINA, José Miguel Garcia. Constituição Federal Comentada. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

MÉSZÁROS, István. A Montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. São Paulo : Boitempo, 2015.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 21ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2016.

SHAKESPEARE, W. Hamlet, príncipe da Dinamarca. Tradução de Ana Amélia de Queiroz Carneiro Mendonça. In: BLOOM, H. Hamlet: poema ilimitado. Tradução de José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004. p.140-319.

WEBER, MAX. Textos selecionados (Os Pensadores). 3ª ed. São Paulo : Abril Cultural, 1985.